terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Dos nós e alguns laços

.

.

Porque hoje o coração é livre
Foram-se tantas as amarras
O nó era tão simples
Só que não desata

.

Agora basta-me o sorrir
Depois de todo esse cárcere
Solidão acompanha o meu ir e vir
Mas o vôo diário não impede que alce

.

Os galhos que cuidadosamente piso hoje
Foram as folhas vistosas de ontem
O tempo que tanto me foge
Ainda me prevê um novo amanhã

.

Para sorrir e aprender
Mesmo nas incertezas que insistem em aparecer!




(Suellen Verçosa)





7 comentários:

aaluah disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
aaluah disse...

não desata não desata não desata não desata não desata não desata




poema esperançoso...


muito bom!!!


beijos!

Dany disse...

Meu nó foi desatado tb... estou sem amarras, livre pra voar e viver! E eu tô bem feliz com isso... novos sonhos ao amanhecer, querida!
Bjs

Samuel Bryan disse...

nada como ter o coração livre
^^
livre de nós e qualquer outra merda
:P
beijos

Victor Manfredine disse...

seria bem interessante um encontro de blogueiros mesmo. pra gente conhecer pessoalmente,
essas pessoas que a gente conhece
tanto virtualmente..
sei lá. é o que eu ando dizendo: troca de idéias pra mim nunca é demais ;*
vamos ver no que dá a idéia =D

Berkmis Viana disse...

O passado que nunca acaba, se refaz, se remonta... Mesmo que seja apenas galhos que forram nossos passos...

E o futuro.. Ah! O futuro... Esse nos reserva as inesperadas surpresas...

Saudades de passar por aqui..

Voltando...

Belos versos, uma leveza só!

GRande Abraço,

Berkmis Viana.

Maldito disse...

è,...não faz meu estilo,...mas é bem visceral
Parabens!