sexta-feira, 12 de outubro de 2007

Das cores e flores


Fosse preciso mudar estas cores
Do inverno em que refiz meus amores
Tão cheios de si em suas buscas indolores
Deles que me ofertaram tantas flores

Que ressecadas estão agora
E o cálice já sem o vinho
O sangue que escorre pelo dedo
De onde tirei um espinho

De mim hoje tão contente
Que encontrou razão nessas linhas
Onde vivo em uma enchente
De amor, paixão e rima

Quais de mim se perdeu por aí?
Quais não aprenderam a retornar?
De mim que caminhou sem destino
E do amor catou apenas as pétalas
Sempre tão cheias de cismos
Mas suas cores já não eram tão belas
Naqueles jardins já tão aborrecidos

(Suellen Verçosa)

10 comentários:

Vieira Calado disse...

Tão frágil como a porcelana, até era um bom título para este poema. Eu ajuntaria, sensível e melancólico.
Beijinhos.

Nosso Crime: a palavra' disse...

Migah.. eu ainda fico vova toda vez ki leio seus poemas.. por trás da baixinha invocada e bagunceira, tem um suspiro poético profundo!
gostei em especial da primeira e da ultima estrofe =x

te cuida linda..
ótimo fds!
=*

__ Miriane

Samuel Bryan disse...

retrato de uma melancolia tão profunda...
coisas que so poesia pode transmitir
=***

Lapa disse...

Há três tipos de mulher:

-as bonitas, (como você)

-as feias,

-e, as loiras...

Leandro disse...

Parabéns pelo blog, Suellen!
Que bom que você foi reconhecida pelo trabalho que fazes nele.
Parabéns mesmo!
Abração

Luciano Martins-Costa disse...

pra voce, de improviso:

de petalas e brisa
a vida é feita.
a pétala é o ser,
destino é vento
que leva a massa tênue
pelos ares
e deixa que repouse
em um momento.
então se ilude a pétala,
e pensa que este chão
de agora é para sempre,
que eterno é o amor
que vê adiante
e que é constante
aquilo que é instante.
e vem a brisa e novamente
ergue do chão a pétala
iludida
e vai, e a conduz por outros ais
então a massa tênue de perfume
entende que sua vida se resume
à memória do aroma,
nada mais


Luciano Martins

Anônimo disse...

Doce e sensível são as palavras que me vêm a caebça lendo tuas poesias, Suellen. O Luciano fez a coisa certa: reverenciar você é coisa para poeta. Não sou um, mas sou seu fã.

Mário

Suy moondovh disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Suy moondovh disse...

Grata aos amigos que gentis foram em seus elogios (Mi, Sam, Vieira e Leandro).

E aos novos que vão timidamente se aconchegando por aqui.

Luciano Martins, amigo de Altino, fiquei muito contente com sua poesia, e espero ansiosamente outras visitas suas. As palavras delineadas tão cuidadosamente muito me alegraram.

E Mário, obrigada também pela presença, e é uma responsabilidade enorme que colocastes manter você como fã...rsrs...(apesar de eu achar que não mereço tanto)

Abraços a todos!

Ti disse...

Amiga, você é minha poetiza preferida,rs