quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Do poeta fiz poesia


O poeta é um aventureiro...
Em palavras;
Em gestos;
Em traquejos;

Aquele que sofre sem haver dor
Com palavras acompanhadas de lágrimas.
O mero movimento da caneta em entremeio de seus dedos
Que partem de um sentimento
Nem sempre de amor
Nem sempre de dor

O poeta é um eterno escritor inveterado e apaixonado.
Que não tira a alma da balança
Que rega seus dias a versos
Sejam eles de alegria ou esperança

O poeta não aprendeu com o mundo a arte de escrever
Ele procura no fundo de seu "eu" uma forma de permanecer
Que os papéis acabem,apodreçam,rasguem
Mas o sentimento em verbo seja um alforge ao vento

O poeta é aquele que se destilhaça diante das pessoas
Que tira seus adereços
Se despe das vestimentas mundanas
Mas que nem sempre é compreendido

O poeta toma para sí as dores do mundo
Indigna-se com as injustiças
E transcreve em seus murmuros
Toda a verdade que não foi dita

O poeta é um gênio não declarado
Que mesmo na amargura descrita
Não corrompe o seu sorriso
Transforma sua imagem em um nome
Troca sua cela por uma imensidão de frases
Vezes sem nexo
Repletas de criatividade floradas em sua vida
Que permite que as cores invadam seu dia

Mas o poeta é humano
Tão mortal ser
Que permanece em palavras
Muitas vezes não publicadas
Mas que a cada ano
Envelhece como todos os demais
E quanto mais o tempo passa
Mais ele parte ao encontro dos anjos
E tão breve como qualquer mortal
Ele se vai

(Suy)


Obs:. Pensei em usar esta poesia num concurso literário em homenagem a um poeta,Gilberto Mendonça Teles,que com os versos de MODERNISMO (poesia dele),regou alguns dias de imensa escuridão me fazendo pairar numa reflexão contínua.

5 comentários:

Vieira Calado disse...

Muito interessante este poema. Curiosamente tenho um que se lhe assemelha.
Um destes dias ponho-o no meu blog.
Beijinhos.

Sugestivel disse...

Muito bonito mesmo.
Gostei.
;)

André L. Soares disse...

Suy, boa noite! Eu e rita ficaríamos muito felizes se você participasse do concurso. Diga-nos se aceita e com qual poema quer participar (tem que ser um poema postado em seu blog já no ano de 2007), para que possamos te enviar o convite. Aguardo retorno. Grande abraço!

Samuel Bryan disse...

ai, eu adorei essa definição...
tão doce!
=]

Vieira Calado disse...

Gostei deste seu poema. Curiosamente tenho um, de algum modo parecido. E isso mostra que os poetas pensam e sentem, de idêntica maneira. Também fala do que o poeta é.
Um destes dias ponho-o no meu blog. Depois vai ver se são ou não
do mesmo jeito.
Um abraço.